Os cinco melhores discos nacionais de 2014 – segundo o Cultura no Prato

Os leitores do blog Cultura no Prato sabem muito bem que em período de final de ano publicamos sempre nossas tradicionais listinhas de “Melhores do Ano”. Isso não quer dizer, em hipótese alguma, que os álbuns a seguir, de fato, são os melhores, mas apenas consideramos o conteúdo das obras abaixo bastante significativo para a cena musical brasileira. Sendo assim, trata-se de um recorte singelo das cinco produções musicais que mais despertaram a atenção deste que vos escreve semanalmente por aqui. E, claro, é sempre bom ressaltar que muita coisa boa foi produzida no Brasil – e jamais seria possível resumir tanta coisa interessante em um simples texto. Vamos aos discos.

“Holger” – Holger

Começamos pela banda paulistana Holger, que lançou neste ano o álbum homônimo que reforça a ideia de um indie rock que agrega muitos elementos da música brasileira. Basta ouvir a percussão da belíssima “Café Preto”, entre arranjos cheios de fraseados de guitarra, para se ter uma noção da boa mistura feita pelo grupo. Holger é o quarto disco de estúdio dos caras, e certamente o mais maduro musicalmente.

“Nheengatu” – Titãs

É sempre importante celebrar grandes retornos. E o álbum “Nheengatu”, lançado pelos Titãs – ícones do nosso rock brasileiro – é um trabalho no qual os roqueiros resgatam tanto as letras politizadas como também a sonoridade pesada que marcou os primeiros trabalhos do grupo, lá nos anos 80. Destaco aqui “República dos Bananas”, cuja letra é uma reflexão bastante contemporânea: precisamos compreender, em primeiro lugar, nossas características de seres humanos errantes.

“Convoque Seu Buda” – Criolo

Foi uma enorme responsa para o rapper Criolo lançar um álbum após o elogiado Nó na Orelha (2011). Até porque o artista é sempre cobrado a manter a aura de seus trabalhos. Em Convoque Seu Buda, Criolo mostra que continua sendo um ótimo letrista, e um músico preocupado em experimentar ao estilo de um exímio vanguardista. À poética dos versos somam-se instrumentos de sopro e hibridismos como na ótima “Casa de Papelão”.

“Rock’n’Roll Sugar Darlin” – Thiago Pethit

O roqueiro Thiago Pethit é uma renovação do rock nacional. Diferente do termo batido “salvação do rock”, o músico representa sim a geração que emerge da cena underground, ao elaborar um belíssimo disco, Rock’n’Roll Sugar Darlin. Trata-se de uma vigorosa celebração do rock, enriquecida por elementos contemporâneos de composição – como recursos eletrônicos. Mas o rock está lá: de Cramps a Iggy Pop.

“Cores e Valores” – Racionais MC’s

A saga do grupo de rap mais importante do Brasil ganha novas páginas com a chegada do álbum Cores e Valores. À primeira audição, é possível notar que as canções estão mais curtas e que a coesão das ideias nunca esteve tão afinada entre os integrantes do Racionais MC’s. Batidas pesadas e ótimas rimas, capazes de traduzir o Brasil que muitos não enxergam, cujo lado esquecido ganha narrativas ao ser observado por artistas que criam letras a partir de fragmentos do cotidiano. Em “Quanto Vale o Show”, Mano Brown resgata lembranças da infância, enquanto paralelamente aos versos ecoa o sample de “Gonna Fly Now” (Bill Conti), trilha do filme Rocky (1976). Afinal, a vida é uma luta.

Anúncios

Resumo musical

PJ toca Nick Cave

Pode-se dizer que PJ Harvey e Nick Cave têm uma relação de longa data, não à toa gravaram “Henry Lee”, em meados dos anos 1990. Após o sucesso de seu último trabalho, o belo Let England Shake (2011), e o recente single Shaker Aamer, lançado em agosto deste ano, PJ Harvey visitou o estúdio da BBC Radio para apresentar ao público sua contribuição para a série Peaky Blinders: uma versão para a canção “Red Right Hand”, do Nick Cave. Piano, clima sombrio e a voz suave de PJ marcam esta intensa releitura.

O novo single (barulhento) do Dead Weather

Junte Alison Mosshart e Jack White no mesmo projeto musical para ver o tamanho do estrago – no bom sentido, claro. Esse é The Dead Weather. O grupo lança seu próximo álbum em 2015, e ao longo deste ano tem divulgando todas as canções do novo trabalho de maneira fragmentada, no formato single (com faixas A e B). Nesta semana a banda soltou “Buzzkill(er)” e “It’s Just Too Bad”, ambas já disponíveis para compra no site do Dead Weather. A seguir você ouve “Buzzkill(er)”, garage rock barulhento dos bons.

“Convoque seu Buda”, diz Criolo

Nome importante do rap nacional, o rapper Criolo, diretamente do Grajaú, perifa de Sampa, divulgou nesta semana o vídeo da faixa “Convoque Seu Buda”. O músico volta ao cenário musical após a divulgação do EP Duas de cinco – cuja faixa-lado-B é “Cóccix-ência”. O single divulgado nesta semana, inclusive, deve também dar nome ao próximo álbum do artista, ainda sem previsão para chegar ao mercado. Alastra, família!

Que beleza, o Belle and Sebastian está de volta!

O Belle and Sebastian é daquelas bandas que a gente carrega no coração, pelo menos quem circulou pelo cenário alternativo de Sampa no começo dos anos 2000 – como o autor deste texto. Nesta semana o grupo anunciou a chegada de nono trabalho de estúdio, o disco Girls in Peacetime Want To Dance, que já tem até data de lançamento: dia 20 de janeiro. O primeiro fragmento do novo álbum é a belíssima “The Party Line”, eis o Belle and Sebastian sendo Belle and Sebastian. Sem mais.

Apenas Zooey…

O visual mais retro do duo She & Him não é mera mudança estética, mas um diálogo com o lançamento do álbum de covers Classics – mais literal impossível, haha –, trabalho que a dupla lança em 2 de dezembro. O disco será composto por 13 releituras de artistas do porte de Willie Nelson, Elvis Costello, Frank Sinatra e Elvis Presley, só para citar alguns. Nesta semana, Zooey Deschanel e o brother M. Ward divulgaram a bela versão para “Time After Time”, canção imortalizada pelo grande Sinatra, e que vai fazer parte de Classics.

Criolo lança curta-metragem ambientado em “Grajaú futurista”

Pouca coisa mudou. Essa é a mensagem do (quase) curta-metragem lançado no último dia 18, uma espécie de “clipe estendido” que reúne as canções “Duas de Cinco” e “Cóccix-ência”, do rapper Criolo. Lançadas em outubro de 2013, como single, as faixas despertaram no diretor Denis Cisma o desejo de elaborar um videoclipe longo, para ambas as músicas.

O elenco é formado por amigos do artista Criolo, cuja maioria vive no Grajaú. O clipe mostra imagens de um Grajaú ambientado em 2044, mas que ironicamente pouco evoluiu em termos de redução das desigualdades sociais existentes no bairro paulista – e em praticamente todas as periferias do país. Sacada das boas para, no mínimo, uma bela reflexão.

“Conseguimos imprimir elementos futuristas e, ao mesmo tempo, mostrar que se o ciclo em que vivemos não for interrompido, o futuro, que já está se mostrando, não será a maravilha que todos imaginam”, diz o diretor Cisma. Os papéis principais ficaram com os jovens Daniel Dantas, Morgana Naughty e Léo Loá, alunos do professor Tiago Ortaet, do núcleo de teatro do CEU Jaçanã.

O vídeo você confere a seguir.

 

Resumo musical

Tem brasileiro no Guardian. Coisa linda!

Superantenados no Brasil em ano de Copa do Mundo – apesar que, em geral, os ingleses sempre estão de olho na música brasileira –, o Guardian publicou na última semana um texto muito legal, no qual pede para artistas brasileiros escolherem suas canções carnavalescas favoritas. A lista é diversificada e reúne depoimentos de gente como o rapper Criolo e a cantora Love Foxx (Cansei de Ser Sexy). O Cultura no Prato achou justíssima a presença dos brasileiros no famoso jornal inglês, e decidiu incluir neste post o frevo mencionado pelo genial Siba. Orgulho!

 

Oasis e raridades dos primeiros anos do britpop

A gente já repercutiu por aqui a reedição do belo Definitely Maybe (1994), do hoje extinto Oasis – assunto que fez barulho dos bons entre os fãs do grupo. Nesta semana algumas raridades começaram a pipocar no Youtube, embora muitas delas nem cheguem a entrar na versão comemorativa que chega ao mercado em breve. Uma das novidades postadas nos últimos dias é a bela “Alice”, que poderia muito bem ter entrado no disco de estreia dos caras, mas enfim, não entrou. O competente Lúcio Ribeiro (Folha/Popload) andou divulgando esta e outras faixas raras do Oasis que surgiram na web nesta semana, vale a pena conferir.

 

Segundo álbum solo do Julian vem aí!

Atração do Lollapalooza Brasil, o stroke Julian Casablancas prepara o lançamento de seu segundo álbum solo, ainda sem nome e nem data de estreia no mercado musical. O detalhe importante é que vocalista agora fará shows com uma espécie de banda de apoio, chamada The Voidz – inclusive deverá vir ao Lolla acompanhado por ela. O fato é que já rolou um teaser nas redes sociais nesta semana com uma prévia sonora que inclui trechos das faixas do novo trabalho do cara. À primeira audição, o Cultura no Prato achou bacana, o álbum mostrou boas pitadas de Joy Division, punk rock e electro-moderinho. Mandou bem.

 

Sai o primeiro teaser da cinebiografia de Jimi Hendrix

Fiquem atentos. A cinebiografia do genial guitarrista Jimi Hendrix chegará em breve trazendo o músico André 3000 (Outkast) no papel do deus da guitarra. Nesta semana vazou o primeiro teaser do filme, no qual Jimi troca uma ideia com a Linda Keith (Imogen Poots), garota responsável por lançar a carreira do guitarrista e sua banda (o Experience) na Inglaterra. O longa será pré-lançado no gigante festival SXSW, na próxima semana.

 

E tem vídeo novo do Pixies

Outra superbanda que vem ao Brasil no Lolla 2014 é o Pixies. O grupo liderado por Black Francis lançou em janeiro deste ano o EP2, com canções bem boas que fazem jus ao legado do grupo. Nesta semana o Pixies divulgou o vídeo da faixa “Greens and Blues”, uma das minhas favoritas – achei pertinente deixar claro, hehe. Quem for ao Lollapalooza certamente verá um Pixies sem a incrível Kim Deal, mas, isto não significa que a banda fará feio, muito pelo contrário, eles têm demonstrado fome de shows, a mesma dos anos 90.

Resumo musical

Criolo divulga faixas de novo álbum

Ele bebeu em fontes musicais como Racionais, Bob Marley e samba de raiz, em 2011, lançou o ótimo Nó na Orelha – um dos melhores discos daquele ano – e hoje figura entre os artistas mais importantes da música brasileira. Nesta semana o rapper Criolo divulgou duas canções que irão integrar seu próximo trabalho, são elas “Duas de Cinco” e “Cóccix-ência”, ambas podem ser baixadas no site do músico. A seguir você confere o vídeo-letra da ótima “Duas de Cinco” – que deve dar nome ao novo álbum.

 

Best Coast lança EP na próxima semana

O Best Coast lança na próxima terça-feira (22) o EP Fade Away, trabalho que deve anteceder o terceiro álbum de inéditas da banda – previsto para 2014. Claro, este é um bom motivo para falarmos do grupo californiano novamente por aqui. Nesta semana o Best Coast disponibilizou o mini-disco para audição em seu site – clique aqui e ouça. Selecionei a bela “Baby I’m Crying” para acompanhar este texto. Lentinha e cadenciada, a canção traz a melodia pop-garagem que virou a grande marca da banda.

 

Com vocês, a dupla californiana Deap Vally

Foi na Califórnia onde a dupla barulhenta Deap Vally começou sua trajetória musical. As meninas, que fazem uma espécie de garage-punk-indie, lançaram neste ano o álbum Sistronix e desde então vêm tocando nos principais festivais do planeta. Na última semana o duo divulgou o clipe da faixa “Walk of Shame”, som pesado que ganhou imagens sexy, ou seja, a mistura perfeita para uma boa receita de rock. Falaremos mais sobre o Deap Vally por aqui. Aguardem.

 

Assista ao (clássico) show do trio Chvrches

A banda Chvrches é a mais nova aposta do Cultura no Prato – e de outros veículos “mais ou menos” como o Guardian também (hehe). No último dia 25 de setembro, o trio escocês fez uma apresentação incrível no Boiler Room, em Glasgow, para promover o lançamento de seu álbum de estreia, The Bones of What You Believe – de nome e conteúdo lindos. Foi durante este show que o grupo mandou uma ótima versão para “It’s Not Right But It’s Okay”, da Whitney Houston – chegamos a comentar por aqui, lembram? Eis que nesta semana o mini-show foi disponibilizado na íntegra, confira a seguir. Ah, outra coisa, trate de gravar este nome!

 

Arctic Monkeys conquistam o mundo… E o palco do Jimmy Kimmel

O mundo hoje é deles. Os ingleses do Arctic Monkeys seguem com a divulgação de seu novo álbum, AM, discão que é forte candidato a melhor de 2013, que recebeu “nota 10” da revista NME e um 8,7 deste blog (hehe). Nesta semana o grupo inglês visitou o programa do Jimmy Kimmel e mandou duas pedradas de seu último álbum: “Do I Wanna Know?” e “R U Mine?”. A apresentação foi bastante comentada nas redes sociais e blogs. Então, por falar em Arctic Monkeys, andam dizendo por aí que o grupo vem ao Lollapalooza 2014. Vamos aguardar!

Na cola do Lollapalooza

O Pearl Jam, do vocalista Eddie Vedder, fechou o Lollapalooza 2013 (Foto Divulgação).
O Pearl Jam, do vocalista Eddie Vedder, fechou o Lollapalooza 2013 (Foto Divulgação).

O Cultura no Prato se aventurou na lama do tradicional Jockey Club, em São Paulo, para contar o que de melhor ocorreu no Lollapalooza 2013. Em meio a rostinhos bonitos e felizes, com suas camisetas de grupos legais (e nem tão legais assim), diversas bandas tocaram ao longo dos três dias de evento.

No primeiro dia só deu Killers. A banda liderada pelo vocalista Brandon Flowers, filho do Bono Boxx (hehe), soube tirar proveito do dia no qual algumas apresentações não agradaram muito, como o show ‘estranho’, para alguns, do Flaming Lips, que exagerou na dose ‘viagem experimental’. Sendo assim, o Killers literalmente jogou para a torcida, desfilando hits antigos e novos como “Somebody Told Me”, “Mr. Brightside”, “Runaways” e “Miss Atomic Bomb”.

O segundo dia chegou e com ele atrações de peso como Black Keys, Queens of the Stone Age, Franz Ferdinand, Alabama Shakes e Gary Clark Jr. Como os horários de Franz e Alabama coincidiram, fui obrigado a escolher e, considerando o fato de já ter visto o competente grupo escocês duas vezes, optei pelo estreante Alabama Shakes, da diva Brittany Howard.

O Alabama focou o repertório do show em seu primeiro disco, Boys & Girls, e mandou sucessos como “Hold On”, “You Ain’t Alone” e “I Ain’t the Same”. O ponto alto fica por conta da belíssima voz da vocalista Brittany Howard. Ao fim da apresentação, ouvi comentários do pessoal que voltava do Franz como: “foi o melhor (show) até agora”. É possível ter ideia de como foi a performance por lá, não é mesmo?

Antes do Alabama, vale destacar também o incrível Gary Clark Jr., que faz um rock-blues ao estilo Jimi Hendrix, com pitadas pop. “Bright Lights” tem um poder surreal ao vivo, canção que é forte candidata a ”momento mágico do evento”.

Hora do Queens of the Stone Age, uma das bandas mais aguardadas do Lolla 2013. Com baterista novo, o QOTSA trouxe o mago Josh Homme novamente ao Brasil e um repertório competente na bagagem. Foi insano: “No one knows”, “Burn the witch” e “Little Sister”, entre outras canções, fizeram o publico pular sobre a lama que cobria boa parte do chão do Jockey. Ainda sobrou tempo para a inédita “My God Is the Sun”, que também agradou.

O final do segundo dia de festival tinha o duo Black Keys como principal atração. O setlist girou em torno dos discos Brothers (2010) e El Camino (2011), mas surpresas como “Thickfreakness”, faixa-título do segundo álbum da dupla, também apareceram no repertório. Cabe dizer também que houve certa injustiça com o Black Keys, principalmente, em relação a comentários feitos nas redes sociais.

O ótimo momento da dupla no cenário internacional fez com que eles fossem escalados para fechar o sábado, tocando depois do Queens – banda que algumas pessoas defendiam como headliner do dia. Para analisar um artista, antes de tudo, é preciso conhecê-lo. Vale a pena refletir. Defesa feita, confesso que o lado direito do palco apresentou falhas, deixando a guitarra baixa, mas nem esse fator tirou o brilho da apresentação. Que foi linda, sim.

O terceiro o último dia chegou com a seguinte missão: ver as bandas Hives e Pearl Jam. O grupo sueco fez um show poderoso, até pessoas que estavam em frente ao palco principal, na espera pelo Pearl Jam, rasgaram elogios ao Hives. Também pudera, com o vocalista Howlin’ Pelle Almqvist endiabrado, como uma espécie de filho do Mick Jagger, o Hives mostrou todo o seu punk-garage-rock numa apresentação devastadora, com direito a palmas, autógrafo para fá enlouquecido, momento estátua (famoso nas apresentações do grupo) e hits como “Hate to Say I Told You So”, “Main Offender”, “Tick Tick Boom” e “Go Right Ahead”. Show perfeito.

A magia do Lollapalooza, com todos os eventuais defeitos de qualquer evento grande, chegou ao fim com o gigante Pearl Jam, do carismático Eddie Vedder. O grupo norte-americano fez um show “greatest hits”, como não poderia ser diferente para uma banda consagrada.  Lá estavam os clássicos “Alive”, “Jeremy” e “Do the Evolution”, para alegria geral, que foi ainda maior por conta dos ótimos covers de The Who, “Baba O’Riley”, e Ramones, “I Believe In Miracles”. Menção honrosa também aos brasileiros Criolo e Planet Hemp, cujos shows não deixaram nada a desejar aos gringos. Que venha o Lollapalooza 2014!

A seguir, alguns vídeos com os principais destaques:

 

 

 

 

 

 

Resumo musical da semana

Semana John Lennon

O eterno beatle John Lennon completaria 72 anos na última terça-feira, 9. Um dos nomes mais importantes da história do rock – ao lado de Elvis Presley, Mick Jagger e Bob Dylan, entre outros –, Lennon foi lembrado nos quatro cantos do planeta. Como parte das comemorações, a Editora Planeta lança As Cartas de John Lennon (400 pp., R$ 59,90), uma espécie de biografia por meio de cartas, bilhetes, autógrafos, recados e cartões-postais, para a família, esposas, amigos, jornais, advogados, fãs, colegas de trabalho, organizadas por Hunter Davies. Aqui no Cultura no Prato não é diferente. Vamos celebrar John Lennon.

 

Vaccines e a neta do Ernest Hemingway

Esse Justin Young está malandro demais, viu. Nas imagens do novo vídeo dos Vaccines (confira a seguir), do single “I Always Knew”, que integra o último disco dos ingleses, Como Of Age, o vocalista aparece ao lado de ninguém menos que a modelo Dree Hemingway, neta do gênio da literatura Ernest Hemingway. Já o grupo segue no embalo do lançamento de seu segundo álbum e recentemente fez aparições em diversos meios de comunicação, do programa do Jools Holland, da BBC Two, à rádio Absolute.

 

Trent Reznor mostra como destruir anjos

O projeto How to Destroy Angels, do idealizador do Nine Inch Nails Trent Reznor, divulgou nesta semana a canção “Keep It Together”, que fará parte do EP An Omen, previsto para chegar às lojas em 13 de novembro. De aspecto soturno e com doses de música eletrônica, a faixa, assim como o projeto, tem participação da esposa de Reznor, Mariqueen Maandig. Outros colaboradores do projeto são Atticus Ross e Rob Sheridan. No último mês, o músico divulgou que o projeto How To Destroy Angels assinou um contrato com a gravadora Columbia Records.

 

Riot grrls! Bikini Kill terá discografia relançada

A líder do grupo Bikini Kill, Kathleen Hanna, anunciou nesta semana o relançamento do EP de estreia da banda, 12″ (1992). O lançamento faz parte de uma série de reedições da discografia completa de uma das bandas mais importantes do cenário underground norte-americano, famosa por abordar letras feministas e shows incendiários – uma das principais influências da banda russa Pussy Riot, por exemplo. O álbum chega às lojas em 20 de novembro e virá acompanhado de um fanzine com depoimentos de gente como Ian MacKaye, líder das bandas Minor Threat e Fugazi. Durante uma entrevista concedida à Spin, Hanna afirmou que a ideia do Bikini Kill era que “todas as meninas, em todas as cidades, comessassem suas próprias bandas”. Pura atitude.  

 

Dezessete psicodélicos minutos de Neil Young e Crazy Horse

Neil Young e a Crazy Horse lançarão em 30 de outubro o álbumPsychdelic Pill, primeiro de inéditas após 16 anos e o segundo lançamento deste ano, considerando o belo Americana, composto por releituras de hinos folk. Já postamos aqui algumas canções que irão integrar Psychdelic. Entretanto, nesta semana o grupo divulgou outra faixa, chamada “Ramada Inn”. A músicaganhou um belo vídeo, repleto de memórias e com ares de road movie. Detalhe: são dezessete psicodélicos minutos de Neil Young e Crazy Horse. Alguém aí vai reclamar?

 

Sexta e Sábado tem Criolo, beleza?

O rapper mais celebrado dos últimos anos no cenário nacional, Criolo, fará duas apresentações no Cine Joia, nos dias 12 e 13 – não vai viajar? Acabou de encontrar uma boa opção para o feriadão. O músico traz a turnê do elogiado Nó na Orelha (2011), sendo que a primeira das duas apresentações será transmitida via YouTube, às 23h, pelo link  (http://youtube.com/cinejoia). Para saber mais detalhes sobre os shows, clique aqui

 

Otto traz “The Moon 1111” a São Paulo

O músico pernambucano Otto está de volta. Seu próximo disco, “The Moon 1111”, chega às lojas em 11 de novembro cercado por elogios dos ‘magos da imprensa’ que botaram os ouvidos no álbum. No próximo dia 12 (feriadão), o cantor fará o show de lançamento de seu próximo trabalho, às 18h, na Praça Victor Civita, em São Paulo. Curioso para ouvir “The Moon 1111”? Faça o download do single “Ela Falava” (vídeo abaixo) clicando aqui. Se está pensando em marcar presença na apresentação, é melhor chegar cedo, o local tem capacidade para 2 mil pessoas. 

 

Jack White x Jack White

Sempre digo por aqui que o Jack White é gênio. E é mesmo. Como se não bastasse o lançamento do ótimo Blunderbuss neste ano, os singles do disco estão ganhando vídeos bem interessantes. Uma prova disso é o clipe da canção “I’m Shakin’” – uma das minhas favoritas do Blunder –, divulgado na última quarta-feira (10). O legal é que o Jack White trava um duelo de guitarras contra… o próprio Jack White. Cool.