O Disclosure, o ‘pop-dance-retro’

O termo acima não é nenhum rótulo, trata-se de uma conexão interpretativa que tenta refazer os caminhos sonoros que o Disclosure fez ao conceber Caracal, segundo álbum da dupla Guy Lawrence e Howard Lawrence. O disco teve parte de suas faixas divulgadas nesta semana, cuja textura sonora dá continuidade à proposta de Settle (2013), com beats que remetem à dance music dos anos 90 somados às vozes de convidados (embora Howard solte a voz em “Jaded”, sério!). O som é contemporâneo, mas se permite variar quando busca aspectos do passado em meio a uma boa pitada de retromania.

O lançamento ocorre somente em 25 de setembro, mas já é possível ter ideia da proposta sonora que o Disclosure traz em seu novo trabalho, pois o teaser divulgado hoje reúne trechos das músicas que irão compor Caracal. E diferente de compará-lo ao trabalho de estreia dos ingleses, o que limitaria a discussão, prefiro destacar o que Caracal possui de interessante à primeira audição: uma estrutura rítmica eletrônica que exibe repertório cheio de belas melodias, com um pé nos anos 90, mas não somente nesse período – e aí a contribuição dos vocalistas potencializa o resultado. Por isso falo em pop-dance-retro, tentativa de evitar binarismos, até porque acredito que a música do Disclosure absorve em sua linguagem elementos que vão além de uma simples conexão entre presente e passado – como se considerar esse percurso fosse algo simplório, muito pelo contrário (haha!).

A seguir então reuni uma sequência que talvez resuma a última semana do Disclosure: visita à rádio BBC One, em que o duo tocou “Hotline Bling” (Drake) com o parceiro Sam Smith; “Hourglass”, canção que traz participação do Lion Babe; “Jaded”, faixa cantada pelo Howard; e o teaser, um tour pelas canções de Caracal.

Anúncios

Disclosure e Gregory Porter: quando a linguagem eletrônica encontra o soul

O cantor Gregory Porter, cuja imagem foi descaracterizada propositalmente para estampar o novo single do Disclosure.

A dupla inglesa Disclosure poderia muito bem ter sampleado algo do cantor soul-jazz Gregory Porter, mas decidiu materializar a parceria convidando o músico para cantar na faixa “Holding On”. A canção, aliás, dará nome ao disco que o duo lança neste ano, álbum que sucede o ótimo Settle (2013).

Ao trazer Porter para gravar os vocais de Holding, o Disclosure propõe uma linguagem movente à canção, pois coloca em contato elementos eletrônicos do house com o estilo de soul de cantar do artista – confira no vídeo abaixo. Rotular esse tipo de canção pode ser uma cilada rítmica. Melhor é aceitar o passeio melódico que a mistura oferece.

Outra dupla

Os também britânicos Chemical Brothers lançam, em 17 de julho, o álbum Born In The Echoes, o primeiro de inéditas desde 2010.  A dupla andou divulgando nas última semanas fragmentos que irão compor o novo trabalho: como “Sometimes I Feel So Deserted” e “Go” – esta última com direito a videoclipe assinado por Michel Gondry.

Compreender melhor o que o Disclosure faz hoje, merece um breve resgate do passado. Entre as décadas de 1990 e 2000, o Chemical Brothers ajudou a moldar a música eletrônica na cultura pop – ao lado de outros nomes como Fat Boy Slim, Moby e o Primal Scream “fase Screamadelica (1991)”. Ou seja, a semelhança entre ambos não se resume ao fato de serem duos ingleses.

Em tempo: disco Born In The Echoes terá participações do porte de St. Vincent e Beck. É bom ver o Chemical voltar com esse gás ao cenário musical.

Resumo musical

Disclosure e Mary J. Blige, no Kimmel

O duo Disclosure foi ao programa do apresentador Jimmy Kimmel, nesta semana, e recebeu no palco uma convidada especial: a cantora o Mary J. Blige. Juntos, tocaram uma versão para a faixa “F For You” (a mesma parceria que marca a versão remix da música), que integra o ótimo Settle, trabalho de estreia da dupla. Mary J. Blige anunciou recentemente o lançamento do álbum The London Sessions, o disco contará com as colaborações de Sam Smith, Emeli Sandé e, claro, Disclosure – entre outros convidados.

Adriano Cintra lança disco “Animal”

O músico e produtor Adriano Cintra lançou nesta semana seu álbum solo, Animal, após produzir uma série de artistas do cenário atual e integrar projetos musicais importantes, como CSS e Madrid. Em Animal, Adriano apresenta ao público um belo repertório pop-dançante com boas doses de indie rock – clique aqui e ouça. Nos últimos dias, outro single do álbum foi divulgado: a faixa “A Sedução De Um Desejo”, composta em parceria com Odair José, e cuja a versão ao vivo você confere no vídeo abaixo.

O Weezer e a Bethany Cosentino

Semana de muito trabalho para o Weezer. O grupo norte-americano divulgou nesta semana novas faixas que irão compor o próximo álbum, Everything Will Be. Via a incrível Pitchfork, o Weezer disponibilizou para audição “Back to the Shack”, “Cleopatra”, “The British Are Coming”, “Lonely” e a bela “Go Away”, parceria interessante com a vocalista da banda Best Coast, Bethany Cosentino – aliás, acho que o som das bandas tem muito muita coisa em comum. O teaser de “Go Away” você confere no vídeo abaixo.

Vespas Mandarinas lança clipe ao vivo de “Não Sei o que Fazer Comigo”

A banda paulistana Vespas Mandarinas segue divulgando seu último trabalho, o disco Animal Nacional. Recentemente, o grupo passou pelo aconchegante Centro Cultural São Paulo, onde gravou um registro videoclíptico ao vivo da faixa “Não Sei o que Fazer Comigo” – para quem não sabe, a canção é uma versão para “No Sé Que Hacer Conmigo”, dos uruguayos do Quarteto de Nós. O Vespas volta ao Centro Cultural São Paulo, no dia 11 de outubro, às 19h. Anote já.

Lorde na trilha sonora do próximo “Jogos Vorazes”

Você pode até não comemorar muito a chegada do filme Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1 às salas de cinema brasileiras, no próximo dia 20 de novembro. Eu entendo. Mas pense bem, a trilha sonora do filme terá uma inédita da Lorde, a canção “Yellow Flicker Beat”, divulgada nesta semana. Dizem por aí, que a Lorde, em parceria com produtores importantes, é responsável por toda a trilha – cantando, inclusive, outras faixas além dessa. Vamos acompanhar.

Resumo musical

Disclosure lança vídeo de inédita

O ótimo duo de música eletrônica Disclosure lançou nesta semana o vídeo da faixa inédita “The Mechanism”, composição em parceria com o produtor inglês Friend Within. A levada segue a linha do estilo eletrônico-retrô-dance do belo disco de estreia da dupla. Além da sonoridade interessante da faixa, o vídeo também merece destaque. Confira.

 

Lana divulga novo vídeo

O novo álbum da Lana Del Rey, Ultraviolence, chega às lojas no próximo dia 13 de junho. A moça, que já andou divulgando a inédita “West Coast”, disponibilizou para audição nesta semana outra canção que irá compor seu novo disco, “Shades of Cool”. A música reforça o clima mais obscuro que deve permear o seu novo trabalho, com direito a um belo solo de guitarra.

 

Arctic Monkeys volta aos palcos em show memorável

Após uma longa temporada de shows nos Estados Unidos, o incrível Arctic Monkeys voltou aos palcos britânicos em um show memorável noFinsbury Park (Londres), na última semana. A banda se apresentou no mesmo dia que artistas como Tame Impala e Miles Kane, e mostrou por que é considerado o melhor grupo de rock do momento (eu acho!). Nas próximas semanas a confirmação da vinda do Arctic Monkeys ao Brasil deve ser confirmada, só que desta vez será um show só deles, sem o embasamento de um grande festival. Fato que mostra a grandeza do grupo hoje.

 

La Roux divulga single “Uptight Downtown”

A cantor La Roux prepara o lançamento do álbumTrouble in Paradise, previsto para chegar às lojas em 8 de julho (nos Estados Unidos). Na última semana, a moça divulgou o primeiro single de seu novo trabalho, “Let Me Down Gently”, e nesta semana foi a vez de disponibilizar para audição outra faixa que constará no disco, “Uptight Downtown”. Se no primeiro single La Roux mostrou uma sonoridade de levada sexy, a nova canção traz um clima dançante e refrão deliciosamente viciante. Grande faixa.

 

O encontro entre Bruce Springsten e os Stones

Foi no Rock in Rio Lisboa que os Rolling Stones receberam o brotherBruce Springsteen, na última quinta-feira (29), para juntos tocarem a bela “Tumbling Dice”, levando o público, estimado em 90 mil pessoas, ao delírio.  Após entrarem na onda dos grandes festivais, os Stones praticamente estão com a agenda repleta de shows em mega eventos musicais, e com a mesma energia de sempre. Lendas.

 

Um peregrino absorto no Lollapalooza 2014

Lolla parte 1: a peregrinação das massas

Preparo físico. Este era o quesito necessário para acompanhar a maratona de shows do Lollapalooza 2014, e a considerável distância existente entre os palcos – que exigia certa peregrinação das massas indie-roqueiras. O lado bom é que o som de uma atração não interferiu no som da outra, o lado chato, é que as pernas foram bastante exigidas. Mas em suma, o novo formado do festival está aprovado.

Sábado (5), o sol forte do começo de tarde fritava a cabeça da molecada quando o stroke Julian Casablancas subiu ao palco para uma apresentação, digamos, bem estranha. O som não estava bom e o repertório soou esquisito. Não sei, mas logo à primeira audição algumas faixas do novo álbum do músico (que deve sair em breve) parecem difíceis, sem contar que ele forçou um estilo gritado de cantar fora do contexto (achei). O que salvou o show de um desastre maior foi “Take It Or Leave It”. Só.

Já a cantora Lorde mostrou o porquê do seu hype, tocou praticamente seu álbum de estreia na íntegra e teve o público nas mãos do início ao fim.  Presença de palco admirável, setlist com o hit “Royals” – que nem de longe é a melhor canção da moça – e a inusitada cover de “Hold My Liquor”, do Kanye West. Genial. Em seguida, fiz uma conexão Nação Zumbi-NIN. Peguei o começo da banda do Recife e o final do grupo liderado pelo Trent Reznor. Saldo positivo: batuquei ao som do maracatu-samba-rock “Samba Makossae” e ainda consegui ver o Nine Inch Nails tocar “Hurt” – impossível não lembrar de Johnny Cash.

Vale deixar aqui uma menção especial ao duo britânico Disclosure. Não sei até onde esta ótima dupla pode chegar, mas o fato é que o Disclosure foi “a atração” do primeiro dia do Lolla 2014. Com o repertório focado no ótimo Settle, discão que lançou a dupla, o Disclosure trouxe ao palco Interlagos a atmosfera sonora da dance music dos anos 90, contextualizada com o cenário musical de hoje, com belíssimas vozes inseridas em meio às batidas e efeitos sonoros. Impecável.

Lolla parte 2: absorto…

Domingo, dia 6. Entrei pelo Portão 9 (acho que era esse o número) e atravessei o mais rápido de pude, do palco Interlagos ao Onix, onde o Johnny Marr tocaria. A sorte estava comigo, pensei que show fosse começar às 14h em ponto, cheguei às 14h05, desesperado, e fiquei sabendo que ainda dispunha de quinze minutos. Foi uma ótima notícia saber que eu estava errado, Marr e sua banda estavam programados para tocar às 14h20.

A correria se justifica pelo fato de eu ser um grande fã do grupo Smiths, e com isso não poderia deixar de ver o Johnny Marr – e eu sabia que o setlist seria recheado de clássicos da banda britânica. Além disso, o álbum solo do cara, The Messenger, é um belo trabalho. Em determinado momento, pensei: “é isto, o show está ótimo”, quando Marr anuncia uma “surpresa” e chama ao palco o baixista Andy Rourke para formar um “meio Smiths”. Morri. Juntos, tocaram o clássico “How Soon Is Now?”. Ao final, para quase arrancar lágrimas do autor deste texto, Marr tocou uma das canções da minha vida, “There’s A Light That Never Goes Out”. Novamente morri.

Permaneci por um tempo absorto, e em seguida retornei, aos poucos. Hora de seguir rumo ao palco Interlagos, para ver as meninas do Savages. Me senti em Londres, ou Manchester, no final da década de 1970. A banda inglesa Savages foi intensa, com todos os elementos de pós-punk possíveis, que vez ou outra ficam simplesmente puro punk, com baixo, guitarra e bateria unidos em prol de uma agressividade romântica ímpar. E a vocalista Jenny Beth é de outro planeta, parece reunir um pouco de Ian Curtis e Siouxsie Sioux (dá pra imaginar?). Acho que vou ficar alguns dias cantarolando “No Face” e “City’s Full”. Grande show.

Tudo bem, o Pixies veio sem a Kim Deal, que não faz mais parte da banda, mas nem por isso o show deixou de ser especial. Foram mais de 20 canções (acho que perdi a conta, hehe), com praticamente todos os clássicos do lendário grupo norte-americano, destaque para “Hey”, “Gouge Away” e a baladinha clássica “Here Comes Your Man” – e algumas boas faixas do último EP lançado por Francis Black e companhia. Lindo, lindo, lindo. Ah, vi o final do Jake Bugg também, o garoto-prodígio que faz um folk rock contemporâneo e que tem recebido boas críticas. Acho que peguei as três ultimas canções, entre elas o belo hit “Lightning Bolt”, mas o fato que me fez dizer: “esse moleque é legal”, foi a versão brilhante para “My My, Hey Hey”, do Neil Young.

Minha dúvida cruel foi escolher entre Arcade Fire, banda que lançou recentemente o lindo Reflektor, e o New Order, que apesar de não estar no auge é um clássico que eu ainda não havia visto. Decidi forçar as pernas e tentar pegar um pouco de cada apresentação. Deu certo. Assisti às cinco (ou seis, não lembro) primeiras faixas do Arcade Fire – consegui ver “Reflektor”, “Flashbulb Eyes” e “The Suburbs”, entre outras – e voei para o New Order com tempo hábil de ver a reta final do show, que teve o hino “Love Will Tear Us Apart”, do pré-New Order Joy Division como momento derradeiro. Casado, e quase sem voz, voltei pra casa com o sentimento de dever cumprido. Nos vemos em 2015, Lolla.

Resumo musical

Bishop lança canção produzida pelo Disclosure

O rapper Bishop Nehru divulgou nesta semana o vídeo da faixa “You Stressin'”, canção produzida pelo duo eletrônico Disclosure (e atração do Lollapalooza São Paulo), Bishop Nehru. A animação que ilustra o vídeo pode causar certa estranheza à primeira vista, mas faz sentido se considerarmos o grau de experimentação da faixa, não à toa o músico escolheu trabalhar com o criativo Disclosure.

 

Horrors divulga nova faixa

O grupo The Horrors soltou nesta semana a faixa “So Now You Know”, canção que irá integrar o quarto álbum da banda, Luminous. O novo trabalho chega às lojas em 5 de maio e deve soar ‘meio’… indie-pop, sabe? Pelo menos, é o que a essa “So Now You Know” (que achei bem legal) indica. Quem divulgou a canção em primeira mão foi a BBC Radio One. Segue:

 

James “deus” Brown no cinema

O monstro da soul music James Brown vai ganhar sua merecida cinebiografia neste ano. O longa, cujo primeiro trailer – vídeo abaixo – foi divulgado nesta semana, terá Chadwick Boseman no papel de Brown e será coproduzido por Brian Grazer e Mick Jagger (e sua Jagged Films), em parceria com a Imagine Entertainment. Sob o título Get On Up, o filme tem a missão de narrar à altura a brilhante e polêmica trajetória do genial James Brown.

 

Damon encontra Snoop Dogg, sério!

O incrível festival South by Southwest recebeu o (agora) artista solo Damon Albarn, no último final de semana. O músico levou ao evento faixas de seu próximo álbum Everyday Robots, previsto para ser lançado em 28 de abril, e também canções de outros trabalhos já consolidados na música como Blur, Gorillaz e The Good, The Bad & The Queen (projeto com os ex-membros do Clash, Mick Jones e Paul Simonon). Durante a faixa “Clint Eastwood” (Gorillaz) veio a grande surpresa do show, Damon recebeu no palco o rapper-doidão Snoop Dogg. Se liga:

 

RIP, Scott Asheton!

Eu não poderia deixar de fazer menção ao grande Scott Asheton aqui no Cultura no Prato. O baterista, um dos fundadores do lendário grupo Stooges, ao lado de seu irmão Ron Asheton (1948-2009), Dave Alexander (1967-1971) e o incendiário Iggy Pop, faleceu no último final de semana, deixando uma grande lacuna no rock. Impossível não lembrar as histórias narradas no livro Please Kill Me, nas quais Scott participou diretamente, ajudando a abrir caminho para o surgimento do punk rock – e consequentemente para que grupos como Sex Pistols, Ramones e Patti Smith surgissem no cenário. Faço questão de finalizar este texto com as palavras de Iggy Pop: “He brought a swinging truth to the music he played and extreme musical honesty.” Valeu, Scott!

Resumo musical

Lirinha faz show no Sesc Vila Mariana em parceria com o projeto Mortevida

O músico Lirinha irá se reunir com o projeto de artes plásticas MORTEVIDA, no teatro do SESC Vila Mariana, no próximo dia 31 de Janeiro, a partir das 21h. Intitulado LIRA, o show celebra o lançamento do vídeo da canção “Eletrônica Viva”, dirigido por Mozart Fernandes e Mônica Rodrigues Fernandes, em parceria com a Bonita Produções. O cenário é assinado pelo MORTEVIDA. O público que comparecer, além de conferir a um show imperdível, terá a oportunidade de conferir, pela primeira vez, o novo clipe do artista.

 

O Vanguart invrível fazendo Molejo. Sério!

A música nos proporciona essas coisas deliciosas de se ver e ouvir. Esta foi a frase que disse a um amigo, hoje, após comentar a versão feita pelo Vanguart para a canção “Cilada”, do grupo de pagode Molejo. A releitura ocorreu no programa O Jardim de Inverno, apresentado por Chay Suede. Achei a versão linda, falo sério, sem brincadeira. Se fosse para escrever uma resenha, eu começaria mais ou menos assim: “o indie-folk deu um jeito de encontrar o pagode, a química rolou”.

 

E a Patti (idem) fazendo Rihanna

A poeta-punk Patti Smith é uma das artistas que mais admiro na música – desde sempre. No final de dezembro ela realizou um show no Webster Hall, em Nova Iorque. Nesta semana a NME nos presenteou ao resgatar um dos momentos mais marcantes e inusitados desta apresentação: quando Patti tocou “Stay”, da cantora R&B Rihanna. A versão ficou linda e, volto a dizer, surpresas como esta é que fazem a música ser algo tão incrível.

 

Disclosure e Mary J Blide, a nova grande parceria musical

Na última semana a dupla mais comentada do cenário eletrônico-indie, o Disclosure, dividiu o palco com a cantora Mary J Blide – artista que também está fazendo barulho no campo da música. A parceria deu tão certo, que nesta semana Guy e Howard Lawrence (os irmãos que formam o Disclosure) divulgaram o vídeo oficial da canção “F For You”, que integra o álbum lindo Settle. A faixa, claro, também conta com a Mary J Blide nos vocais na versão de estúdio.

 

Beck divulga faixa de novo álbum

O músico Beck prepara  o lançamento de seu próximo trabalho, o disco Morning Phase, previsto para chegar ao mercado em 25 de fevereiro. Na última semana, o cantor, que fez um belo show no Planeta Terra 2013, divulgou a canção “Blue Moon”, faixa cadenciada e que certamente vai embalar muitos romances hipsters (haha). Estou errado?