Resumo musical

Ouça o novo album do Ryan Adams

Ryan Adams lançou nos últimos dias o álbum 1984, disco que busca inspiração em clássicos do hardcore e punk rock. A audição completa do novo trabalho do músico foi disponibilizada no Youtube. Ryan Adams versão anti-herói.

 

Karen O divulga outra bela canção

A competente Karen O, vocalista do Yeah Yeah Yeahs, lança amanhã seu álbum solo, Crush Songs. O disco que traz um clima mais intimista da incendiária artista teve outra faixa divulgada na última semana, com direito a videoclipe, inclusive. A faixa de combinação voz-violão se chama “Day Go By”. Belo registro.   

 

Courtney Barnett toca Breeders. Ficou lindo

Na última semana a revelação Courtney Barnett gravou um vídeo para a série “Undercover”, da A.V. Club. No quadro, a banda visitante geralmente escolhe uma cover para fazer, de algum artista ou banda que admira. Com a Courtney Barnett não foi diferente, e a canção selecionada foi “Cannonball”, clássico rock-indie do ótimo Breeders.

 

Julian divulga primeiro single de seu novo álbum, a canção tem onze minutos…

O stroke Julian Casablancas lança no próximo dia 23 de setembro seu segundo álbum solo, Tyranny, acompanhado pela banda The Voidz – a mesma que se apresentou com ele no show esquisito do Lollapalooza deste ano. Na última semana, Julian divulgou a faixa “Human Sadness”, primeiro single do novo trabalho, que possui longos onze minutos de duração, e cuja sonoridade remete ao pop dos anos 80, que já havia temperado o primeiro álbum solo do músico, o Phrazes for the Young, de 2009.

 

Interpol divulga inédita “The Depths”

O Interpol lança amanhã seu próximo trabalho, o disco El Pintor. Na última semana o grupo divulgou a faixa-bônus “The Depths”, que você pode ouvir na íntegra no site da Pitchfork. Em breve a organização do Lolla 2015 deve começar a divulgar as principais atrações do evento, acho que Interpol estará entre elas. Acho.

Um peregrino absorto no Lollapalooza 2014

Lolla parte 1: a peregrinação das massas

Preparo físico. Este era o quesito necessário para acompanhar a maratona de shows do Lollapalooza 2014, e a considerável distância existente entre os palcos – que exigia certa peregrinação das massas indie-roqueiras. O lado bom é que o som de uma atração não interferiu no som da outra, o lado chato, é que as pernas foram bastante exigidas. Mas em suma, o novo formado do festival está aprovado.

Sábado (5), o sol forte do começo de tarde fritava a cabeça da molecada quando o stroke Julian Casablancas subiu ao palco para uma apresentação, digamos, bem estranha. O som não estava bom e o repertório soou esquisito. Não sei, mas logo à primeira audição algumas faixas do novo álbum do músico (que deve sair em breve) parecem difíceis, sem contar que ele forçou um estilo gritado de cantar fora do contexto (achei). O que salvou o show de um desastre maior foi “Take It Or Leave It”. Só.

Já a cantora Lorde mostrou o porquê do seu hype, tocou praticamente seu álbum de estreia na íntegra e teve o público nas mãos do início ao fim.  Presença de palco admirável, setlist com o hit “Royals” – que nem de longe é a melhor canção da moça – e a inusitada cover de “Hold My Liquor”, do Kanye West. Genial. Em seguida, fiz uma conexão Nação Zumbi-NIN. Peguei o começo da banda do Recife e o final do grupo liderado pelo Trent Reznor. Saldo positivo: batuquei ao som do maracatu-samba-rock “Samba Makossae” e ainda consegui ver o Nine Inch Nails tocar “Hurt” – impossível não lembrar de Johnny Cash.

Vale deixar aqui uma menção especial ao duo britânico Disclosure. Não sei até onde esta ótima dupla pode chegar, mas o fato é que o Disclosure foi “a atração” do primeiro dia do Lolla 2014. Com o repertório focado no ótimo Settle, discão que lançou a dupla, o Disclosure trouxe ao palco Interlagos a atmosfera sonora da dance music dos anos 90, contextualizada com o cenário musical de hoje, com belíssimas vozes inseridas em meio às batidas e efeitos sonoros. Impecável.

Lolla parte 2: absorto…

Domingo, dia 6. Entrei pelo Portão 9 (acho que era esse o número) e atravessei o mais rápido de pude, do palco Interlagos ao Onix, onde o Johnny Marr tocaria. A sorte estava comigo, pensei que show fosse começar às 14h em ponto, cheguei às 14h05, desesperado, e fiquei sabendo que ainda dispunha de quinze minutos. Foi uma ótima notícia saber que eu estava errado, Marr e sua banda estavam programados para tocar às 14h20.

A correria se justifica pelo fato de eu ser um grande fã do grupo Smiths, e com isso não poderia deixar de ver o Johnny Marr – e eu sabia que o setlist seria recheado de clássicos da banda britânica. Além disso, o álbum solo do cara, The Messenger, é um belo trabalho. Em determinado momento, pensei: “é isto, o show está ótimo”, quando Marr anuncia uma “surpresa” e chama ao palco o baixista Andy Rourke para formar um “meio Smiths”. Morri. Juntos, tocaram o clássico “How Soon Is Now?”. Ao final, para quase arrancar lágrimas do autor deste texto, Marr tocou uma das canções da minha vida, “There’s A Light That Never Goes Out”. Novamente morri.

Permaneci por um tempo absorto, e em seguida retornei, aos poucos. Hora de seguir rumo ao palco Interlagos, para ver as meninas do Savages. Me senti em Londres, ou Manchester, no final da década de 1970. A banda inglesa Savages foi intensa, com todos os elementos de pós-punk possíveis, que vez ou outra ficam simplesmente puro punk, com baixo, guitarra e bateria unidos em prol de uma agressividade romântica ímpar. E a vocalista Jenny Beth é de outro planeta, parece reunir um pouco de Ian Curtis e Siouxsie Sioux (dá pra imaginar?). Acho que vou ficar alguns dias cantarolando “No Face” e “City’s Full”. Grande show.

Tudo bem, o Pixies veio sem a Kim Deal, que não faz mais parte da banda, mas nem por isso o show deixou de ser especial. Foram mais de 20 canções (acho que perdi a conta, hehe), com praticamente todos os clássicos do lendário grupo norte-americano, destaque para “Hey”, “Gouge Away” e a baladinha clássica “Here Comes Your Man” – e algumas boas faixas do último EP lançado por Francis Black e companhia. Lindo, lindo, lindo. Ah, vi o final do Jake Bugg também, o garoto-prodígio que faz um folk rock contemporâneo e que tem recebido boas críticas. Acho que peguei as três ultimas canções, entre elas o belo hit “Lightning Bolt”, mas o fato que me fez dizer: “esse moleque é legal”, foi a versão brilhante para “My My, Hey Hey”, do Neil Young.

Minha dúvida cruel foi escolher entre Arcade Fire, banda que lançou recentemente o lindo Reflektor, e o New Order, que apesar de não estar no auge é um clássico que eu ainda não havia visto. Decidi forçar as pernas e tentar pegar um pouco de cada apresentação. Deu certo. Assisti às cinco (ou seis, não lembro) primeiras faixas do Arcade Fire – consegui ver “Reflektor”, “Flashbulb Eyes” e “The Suburbs”, entre outras – e voei para o New Order com tempo hábil de ver a reta final do show, que teve o hino “Love Will Tear Us Apart”, do pré-New Order Joy Division como momento derradeiro. Casado, e quase sem voz, voltei pra casa com o sentimento de dever cumprido. Nos vemos em 2015, Lolla.

Resumo musical

Com blues, Jack is back!

O mago Jack White prepara já está com seu próximo álbum guardado na manga. Após o sucesso do ótimo Blunderbuss (2012), o guitarrista irá lançar em 9 de junho o disco Lazaretto. Nesta semana o músico divulgou uma das faixas que estará em seu novo trabalho, chamada “High Ball Stepper”. Mais um blues no repertório de Jack White, instrumental e cheio de “feeling”.

 

Icona flerta com o hip hop

A dupla de meninas Icona Pop, que já recebeu menções aqui no blog, divulgou nesta semana uma nova versão da faixa“It’s My Party”, que nesta nova roupagem traz a participação do rapper Ty Dolla Sign. Musicalmente, em comparação a outras faixas famosas do duo, o indie-dance dá lugar a batidas mais cadenciadas e um quê de hip hop. Confira aí:

 

Pegadinha do Julian!

Haha, a notícia é velha, mas vale a pena repercutir o assunto aqui. Durante a apresentação do Arcade Fire no Lolla Argentina, o stroke Julian Casablancas se passou pelo vocalista Win Butler. O próprio Butles gritou: “What the fuck is this?”. Simplesmente impagável! E que venha o Lollapalooza Brasil.

 

Drake divulga nova faixa

O rapper Drake divulgou a inédita“Days In The East”, na última quinta-feira (3). A faixa é uma versão extensa de “Call On Me”, faixa que o músico havia apresentado ao público em Birmingham, há um mês. A letra é inspirada em uma visita feita pelo rapper à cantora Erykah Badu. Em determinado trecho, Drake diz: “Remember one night I went to Erykah Badu’s house/She made tea for me”. Yeah.

 

O Best Coast e o vídeo lindo de “Baby I’m Crying”

A banda Best Coast, liderada pela diva-indieBethany Cosentino, gravou uma versão de estúdio para a baladinha “Baby I’m Crying”, na última semana. A gravação faz parte de uma ação para a marca de produtos eletrônicos Jawbone. Deixando as ações de marketing de lado, que não fazem parte da nossa praia, o fato é que a nova leitura de “Baby I’m Crying” ficou linda (suspiros).

Resumo musical

O novo vídeo da Kathleen Hanna, com colaboração do Adam “Ad-Rock”

O projeto The Julie Ruin, da genial Kathleen Hanna, divulgou nesta semana o vídeo da faixa”Just My Kind”, que integra o álbum Run Fast. A canção recebeu mixagem do mago James Murphy (LCD Soundsystem), já parte das filmagens do clipe foram feitas pelo maridão da Hanna, o beastie boy Adam “Ad-Rock” Horovitz. Sem mais.

 

Black Keys lança single, e tem disco novo vindo aí!

O sucesso do discão El Camino fez o Black Keys tirar merecidas férias, pelo menos dos veículos de comunicação – após reinar nas principais páginas noticiosas. A dupla divulgou nesta semana o single “Fever”, que vai integrar o próximo álbum do duo, chamado Turn Blue, previsto para ser lançado em 12 de maio. A sonoridade segue a linha dançante proposta nos últimos trabalhos da banda, como El Camino (2011) e Brothers (2010). O Cultura no Prato curtiu.

 

Explica tudo, Julian

O Julian Casablancas vem ao Lollapalooza São Paulo sem o seu Strokes, no próximo dia 5 de abril. O vocalista divulgou há  poucas semanas que irá lançar disco novo em breve, fato que irá rechear o show do Lolla de canções inéditas, mescladas à parte do repertório strokiano e também ao disco Phrazes For The Young (2009), o primeiro trabalho solo do músico. Em vídeo divulgado nesta semana, Julian explica como formou sua banda de apoio, o Voidz, e também falou sobre a sonoridade do próximo trabalho: “It sounds like music of our time.” Realmente didático, hehe.

 

Savages lança nova versão de “Silence Yourself”, com direito a cover do Suicide

Estou empolgado para assistir ao show do Savages no Lolla, sério. O grupo britânico, que remete ao punk-pós-punk-brit com maestria, vai lançar uma versão comemorativa de seu álbum de estreia, Silence Yourself, no próximo dia 5 de abril (um dia antes do show em Sampa!). O disco terá duas faixas inéditas, a ótima “Fuck” (ao vivo) e um cover de “Dream Baby Dream”, do Suicide – que ficou bem legal.

 

Strypes fazem o Letterman delirar!

Tipo uma “invasão britânica mirim” (haha), os moleques do Strypers, grupo irlandês que faz rock dos bons numa pegada “começo dos anos 60”, visitou o programa do apresentador David Letterman nesta semana. A banda mandou tão bem, ao tocar a supersônica “What a Shame” (do álbum Snapshot), que até o Letterman perdeu um pouco a linha (haha). Genial.

Resumo musical

Clash lives! Paul e Mick encontram Frank Ocean e Diplo

O projeto “Three Artists, One Song”, organizado pela marca Converse, conseguiu reunir Frank Ocean, Diplo e os ex-Clash Mick Jones e Paul Simonon. Este time dos sonhos, uma conexão entre passado e futuro, uma espécie de coletivo eletrônico-rap-punk, elaborou a canção “Hero”. O instrumental da faixa lembra um pouco “Straight to Hell”, do Clash, mas ganha mais aspectos dub com as participações de Diplo e Frank. Ficou bem legal. Ah, os caras também deram uma entrevista bacana durante o lançamento do evento patrocinado pela marca de calçados (clique aqui e confira). The Clash lives!

 

Inédita do Johnny Cash ganha vídeo

A lenda Johnny Cash teve algumas canções inéditas divulgadas no último mês. O material, grande parte gravado nos anos 1980, deve ser lançando na compilação Out Among the Stars, em 25 de março. Uma delas, a lindíssima “She Used To Love Me A Lot” (nome de canção poderosa), ganhou um vídeo nesta semana, assinado pelo australiano John Hillcoat. Repare que, ao adicionar no vídeo imagens que remetem a críticas sociais direcionadas à crise financeira da “pátria América”, o diretor brilhantemente deu outra interpretação para a letra. Essa “She” em questão deixou de ser uma garota. Gênio.

 

Iggy Pop e New Order tocam Joy Division. Sério!

A música e suas jams mágicas que vez ou outra entram para a história. Nesta semana eis que Iggy Pop e New Order, divindades do rock, subiram no mesmo palco, durante o Tibet House Benefit Concert, e juntos tocarem os clássicos  Joy Division “Love Will Tear Us Apart” e “Transmission”, além de “Californian Grass” – do próprio New Order. Estou aqui torcendo para o New Order resolver trazer o veterano Iggy Pop ao Lolla São Paulo, em algum cantinho em meio à bagagem da turnê.

 

Julian divulga nova faixa

O roqueiro Julian Casablancas, ex-Strokes, vai lançar seu próximo álbum neste ano, provavelmente em uma data bem próxima ao evento Lollapalooza São Paulo. A gente postou aqui no Cultura no Prato, há poucos dias, um teaser com trechos das possíveis faixas que irão integrar o novo trabalho do músico, e nesta semana o cantor decidiu “quebrar o mistério” e divulgar uma delas, chamada “Ego”, durante uma apresentação em Pensacola, Florida. Achei (só achei, ok?) que a faixa lembra muito o som feito pelo Strokes, o que não é algo ruim, mas pelo material publicado no teaser, a sonoridade tende a apresentar surpresas. Vamos aguardar.

 

Chvrches toca Lorde, e faz bonito

O Live Lounge, da BBC Radio, é um dos programas mais legais de música hoje. Fato. Na última semana, foi a vez do ótimo Chvrches visitar os estúdios da emissora britânica. Hum… Se você não conhece a temática do programa, vamos lá, eu explico: todos os artistas que visitam o Live Lounge precisam tocar uma canção de outro músico (ou banda), e o trio escocês mandou bem ao escolher a belíssima “Team” – sim, uma das faixas do disco de estreia da cantora Lorde, que vem ao Lollapalooza neste ano. Achei que ficou melhor que a original. Me julguem!

Resumo musical

Tem brasileiro no Guardian. Coisa linda!

Superantenados no Brasil em ano de Copa do Mundo – apesar que, em geral, os ingleses sempre estão de olho na música brasileira –, o Guardian publicou na última semana um texto muito legal, no qual pede para artistas brasileiros escolherem suas canções carnavalescas favoritas. A lista é diversificada e reúne depoimentos de gente como o rapper Criolo e a cantora Love Foxx (Cansei de Ser Sexy). O Cultura no Prato achou justíssima a presença dos brasileiros no famoso jornal inglês, e decidiu incluir neste post o frevo mencionado pelo genial Siba. Orgulho!

 

Oasis e raridades dos primeiros anos do britpop

A gente já repercutiu por aqui a reedição do belo Definitely Maybe (1994), do hoje extinto Oasis – assunto que fez barulho dos bons entre os fãs do grupo. Nesta semana algumas raridades começaram a pipocar no Youtube, embora muitas delas nem cheguem a entrar na versão comemorativa que chega ao mercado em breve. Uma das novidades postadas nos últimos dias é a bela “Alice”, que poderia muito bem ter entrado no disco de estreia dos caras, mas enfim, não entrou. O competente Lúcio Ribeiro (Folha/Popload) andou divulgando esta e outras faixas raras do Oasis que surgiram na web nesta semana, vale a pena conferir.

 

Segundo álbum solo do Julian vem aí!

Atração do Lollapalooza Brasil, o stroke Julian Casablancas prepara o lançamento de seu segundo álbum solo, ainda sem nome e nem data de estreia no mercado musical. O detalhe importante é que vocalista agora fará shows com uma espécie de banda de apoio, chamada The Voidz – inclusive deverá vir ao Lolla acompanhado por ela. O fato é que já rolou um teaser nas redes sociais nesta semana com uma prévia sonora que inclui trechos das faixas do novo trabalho do cara. À primeira audição, o Cultura no Prato achou bacana, o álbum mostrou boas pitadas de Joy Division, punk rock e electro-moderinho. Mandou bem.

 

Sai o primeiro teaser da cinebiografia de Jimi Hendrix

Fiquem atentos. A cinebiografia do genial guitarrista Jimi Hendrix chegará em breve trazendo o músico André 3000 (Outkast) no papel do deus da guitarra. Nesta semana vazou o primeiro teaser do filme, no qual Jimi troca uma ideia com a Linda Keith (Imogen Poots), garota responsável por lançar a carreira do guitarrista e sua banda (o Experience) na Inglaterra. O longa será pré-lançado no gigante festival SXSW, na próxima semana.

 

E tem vídeo novo do Pixies

Outra superbanda que vem ao Brasil no Lolla 2014 é o Pixies. O grupo liderado por Black Francis lançou em janeiro deste ano o EP2, com canções bem boas que fazem jus ao legado do grupo. Nesta semana o Pixies divulgou o vídeo da faixa “Greens and Blues”, uma das minhas favoritas – achei pertinente deixar claro, hehe. Quem for ao Lollapalooza certamente verá um Pixies sem a incrível Kim Deal, mas, isto não significa que a banda fará feio, muito pelo contrário, eles têm demonstrado fome de shows, a mesma dos anos 90.

Resumo musical

Arctic Monkeys celebram os Beatles

Ah, como é bom celebrar os Beatles, não é mesmo? Durante um show no Madison Square Garden, no ultimo final de semana, o incrível Arctic Monkeys prestou homenagem ao 50º aniversário da primeira aparição dos fab four nos Estados Unidos. A canção escolhida foi “All My Loving” e ficou à altura da grandeza do lendário grupo britânico. Valeu, Alex.

 

Lorde versão Kingston

A cantora Lorde, que vem ao nosso Lollapalooza neste ano, ganhou fama após o vídeo da canção “Royals” bombar na web. Nesta semana, o hit que lançou a moça ganhou uma versão dub – ritmo enfumaçado que ecoa da Jamaica de Lee Perry –, elaborada pelo produtor Busy Signal. Como um bom fã de dub, achei demais. E você?

 

Karen no Oscar. E em outros “projetinhos” aí…

A trilha sonora do filme Her, do Spike Jonze, trabalho no qual o personagem vivido por Joaquim Phoenix se apaixona pela voz de uma secretária eletrônica – cuja dona é a Scarlett Johansson – foi indicada ao Oscar deste ano. A faixa “The Moon Song” concorre ao prêmio de Melhor Canção Original, e, detalhe, quem canta é a incrível Karen O. A gente já andou comentando por aqui. A novidade é que nesta semana foi divulgada uma nova versão da música, com participação de Ezra Koenig, do Vampire Weekend (show!). Ainda sobre a vocalista do Yeah Yeah Yeahs, ela está entre os convidados que participam do novo álbum do Walter Martin – na  faixa “Sing to Me” ao lado do coleta de  banda Nick Zinner e do Matt Berninger (National). Uma verdadeira overdose de Karen (hehe).

 

Julian divulga faixa inédita

O filme indie She’s Lost Control – seria uma menção ao Joy Division? – será lançado oficialmente em março, durante o festival SXSW, em Austin. A primeira canção da trilha sonora confirmada é “Human Sadness”, do stroke Julian Casablancas. O Cultura no Prato gosta do Julian, mas convenhamos, ele já gravou canções melhores. Sério. O músico é uma das atrações do Lollapalooza 2014 e essa “Human Sadness”, bem como outras inéditas, deve integrar o repertório.

 

Veja o teaser do domumentário “Dominguinhos+”, que estreia neste mês

O teaser oficial do webdocumentário Dominguinhos+ foi divulgado nesta quinta-feira (13). A estreia está prevista para 26 de fevereiro. Serão oito episódios que irão narrar a carreira do músico pernambucano, além de mostrar as últimas imagens do lendário artista em estúdio. Fique atendo às participações especiais de Gilberto Gil e Elba Ramalho, entre outros nomes.